Valdemar Costa Neto é preso em operação que mira núcleo de Bolsonaro

Metr

 atualizado 

Compartilhar notícia

Reprodução
Imagem colorida de Valdemar Costa Neto dando um abraço em Jair Bolsonaro - Metrópoles

Metrópoles 

O presidente do PL de Jair BolsonaroValdemar Costa Neto, foi preso nesta quinta-feira (8/2), no âmbito das investigações sobre o plano de golpe de Estado após o segundo turno das eleições de 2022. Costa Neto é alvo da operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal (PF), que cumpre 33 mandados de busca e apreensão, quatro de prisão preventiva e 48 medidas cautelares contra o núcleo de Bolsonaro responsável pelo suposto planejamento de uma tentativa de golpe de Estado.

A informação sobre a prisão do presidente do PL foi confirmada à coluna por fontes da PF. A prisão em flagrante por posse ilegal de arma de fogo, encontrada com o dirigente em sua residência, durante o cumprimento de mandados da operação Tempus Veritatis.

1

Inicialmente, Valdemar seria alvo apenas de buscas e apreensões no âmbito da investigação que apura uma tentativa de golpe de Estado por parte do núcleo de Jair Bolsonaro. A PF também cumpriu mandados na sede do PL, no mesmo prédio onde Costa Neto reside.

O dirigente é investigado por supostamente discutir o plano de golpe com outros integrantes do governo e militares, todos alvos da PF. Ele foi citado pelo ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, em sua delação premiada.

Em depoimento, Mauro Cid afirmou ter participado de reuniões com Valdemar Costa Neto, com o ex-vice-presidente Braga Netto, o ex-ministro Anderson Torres e o ex-comandante da Marinha, almirante Almir Garnier. Eles foram alvo da PF nesta quinta, assim como o ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) de Bolsonaro, general Augusto Heleno.

Foram presos o ex-assessor para Assuntos Internacionais da Presidência, Filipe Martins, e o coronel Marcelo Câmara, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro na Presidência e atual segurança do ex-presidente contratado pelo PL. Martins, segundo a PF, foi o responsável por entregar a minuta do golpe a Bolsonaro.

A PF também cumpriu mandados de prisão contra o coronel do Exército Bernardo Romão Corrêa, e o major das Forças Especiais do Exército Rafael Martins. Já o ex-presidente Jair Bolsonaro recebeu um prazo de 24 horas para entregar seu passaporte à Polícia Federal.

Compartilhar notícia

RECOMENDADOS
sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

Paulo Cappelli

Você quer ficar por dentro da coluna Paulo Cappelli e receber notificações em tempo real?

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem