2024: Vai começar o "bota fora" dos parlamentares

 Deputados distritais e federais poderão fazer trocas e mudanças pensando na reeleição ou em voos mais altos em 2026

Por Damião Miguel 

Passado um ano do processo eleitoral e depois de feitas as escolhas para compor as equipes dos respectivos mandatos,  alguns parlamentares precisam e devem iniciar o chamado 'bota fora" dentro de suas equipes quando retornarem de suas viagens. 

A reeleição daqueles que estão dentro do mandato acaba por obrigá-los a reanalisarem decisões tomadas pós eleição e se livrarem de aliados que vieram na velha compra "gato por lebre".

A turma da preguiça 

Os aliados que devem encabeçar o 'bota fora" nos diários do poder Legislativo e executivo,  serão aqueles que dentro do meio político é considerado a turma da preguiça.  Essa turma acredita que só devem trabalhar no período eleitoral e ao longo do mandato preferem desaparecer das ações políticas. 

Os coordenadores eternos 

Outra turma que deverá passar pelo o crivo dos parlamentares certamente serão os coordenadores setoriais ( cidades). Dentro das análises dos parlamentares serão avaliados o rendimento, posicionamentos e ações em prol do mandato ao longo do ano de 2023.

A velha política do 'coordenador eterno' já saiu de moda e a reciclagem política e de ações, serão exigidas para essa turma que deseja dar as cartas em suas regiões em nome dos deputados distritais e federais. Pelo o 'andar da carruagem' algumas mudanças se fazem necessárias e será questão de tempo em pelo menos 40% dos grupos políticos do DF. 

Os intelectuais continuam enganando

Em todo grupo político existe os chamados 'intelectuais de ocasião ', são aqueles que tem resposta pronta, solução para tudo e ação zero. Os deputados gostam dessa turma para ver os egos massageados embora entendam que a produção dessa turma é inexistente para um projeto de reeleição. 

A verdade é que a limpeza de um mandato deveria começar por essa turma de enganadores que ganham altos salários as custas dos que trabalham dia a dia. Geralmente essa troca só ocorre em 10% dos gabinetes. Em resumo a turma dos 'intectuais de ocasião' ainda vão enganar por muito tempo.

Parlamentares e o medo das mudanças 

Em percentual real podemos afirmar que 60% dos deputados distritais e federais que perderam a reeleição tem como causa principal o medo pela a mudanças em suas respectivas equipes. Preferem fazer vistas grossas e quando acordam o prejuízo já tem batido a porta do mandato.

Geração Nutella é um risco

Enquanto os correligonarios mais velhos da política aceitam a reciclagem, tem uma geração mais nova que tenta impor aos parlamentares que reeleição se ganha apenas com redes sociais. Sempre lembrando que esse trabalho é um acréscimo as ações parlamentares, nunca a solução única. 

Essa turma esquece que o perfil do parlamentar deve servir como parâmetro com vistas as análises futuras na busca de uma reeleição. Em resumo o contato com a comunidade continua sendo a melhor fórmula para um mandato consistente. 

Quem pensar diferente precisa compor a lista do 'bota fora' dos parlamentares do DF em 2024.



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem