Reação agressiva do STF aprofunda crise institucional

Ministros se comportam como políticos e esquecem bom senso e temperança

ACESSIBILIDADE:
Ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes (Foto: reproduzido da TV Justiça)

O Brasil é o único país relevante cujos ministros da suprema corte se esforçam para rivalizar com o Legislativo e o Executivo em protagonismo político, como se viu ontem (23) nos discursos desproporcionais e até agressivos e ameaçadores à aprovação de emenda que limita decisões monocráticas. Em vez de refletir e discutir internamente, rever as razões de 52 dos 81 senadores, métodos e atitudes, ministros partiram para o ataque na Corte de onde se espera bom senso, temperança, recato, como sempre recomendou aos colegas o ministro Marco Aurélio Mello. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O Senado tenta restabelecer a segurança jurídica, abalada por decisões monocráticas que representam mais de 80% do total, no STF.

A situação preocupa parlamentares mais experientes, que veem risco de agravamento da crise que pode levar o País a uma era de incertezas.

PUBLICIDADE

Em seus discursos, próprios para os que usam tribuna parlamentar, ministros ameaçam ignorar a aprovação de emendas constitucionais.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem