Exclusivo: mensagens mostram que aluno foi instruído a atacar escola

 

Mensagens obtidas pelo Metrópoles mostram como integrantes de grupo no aplicativo Discord influenciaram adolescente no ataque a escola 

Montagem com imagem de jovem com capuz e mensagens relacionadas a ataques violentos - metrópoles

São Paulo — Prints de mensagens obtidos com exclusividade pelo Metrópoles mostram que o autor do ataque a tiros que matou uma aluna na Escola Estadual Sapopemba, na zona leste de São Paulo, na última segunda-feira (23/10), foi incentivado e instruído a cometer o atentado por integrantes de um grupo do qual fazia parte no Discord, plataforma de conversas em texto, voz e vídeo popular entre os jovens.

Nas mensagens, trocadas horas antes do ataque, o adolescente de 16 anos fala sobre os preparativos para o que chama de “missão” e discute qual seria a melhor maneira de posicionar o celular para filmar e transmitir o atentado pelo servidor. Após o crime, os integrantes do grupo lamentam o saldo de vítimas. “Uma morte cara, q cara merda [sic]”, reclama um dos administradores do grupo.

As conversas estão em posse da Polícia Civil de São Paulo e do Laboratório de Crimes Cibernéticos do Ministério da Justiça, que investigam como integrantes do grupo no Discord estimularam o adolescente a realizar o ataque que deixou outras duas alunas feridas à bala. O atirador usou um revólver calibre 38 do pai. Ele foi apreendido em seguida e disse à polícia que agiu sozinho, dando versões conflitantes sobre a motivação do atentado.

Metrópoles

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem