2026: Intrigas, fogo amigo e a briga pelo GDF

 


Por Damião Miguel 


Ibaneis silencia, Celina Leão, parte na frente e conservadores sonham em montar frente ampla para enfrentá-la em 2026


Os grupos políticos do DF começam as conversações com vistas a duas situações importantes para a sobrevivência de ambos em 2024. A primeira análise é como irão convencer o governador a abrir espaços e assim compor e de forma substancial o governo de Ibaneis Rocha no segundo ano do seu segundo mandato.  A outra pauta certamente será as futuras composições partidárias e alinhamentos com vistas a 2026 

O grupo ligado aos conservadores vem conversando de forma silenciosa e sem amedrontar o projeto político do grupo ligado ao chefe do executivo. Mas não sabem eles, que Ibaneis tem acompanhado e recebido informações em tempo real das rodas de conversas dessa turma que pretendem unir Republicanos e PL na formação de uma chapa contra o nome governista daqui a menos de três anos. 


2026: Nomes na mesa dos conservadores 

Nomes como; Michelle Bolsonaro, Damares, Fred Linhares, Reguffe, Paula Belmonte, Alberto Fraga, Bia Kices, dentre outros, aparecem no topo da lista e podem formar a chapa majoritária da união de forças dos conservadores do DF, que já se  movimentam na busca de legendas como União Brasil e o PSD do ex- Senador Paulo Octávio para a criação de uma frente ampla no enfrentamento a chapa governista. 


PP, PSD, MDB e União Brasil podem caminhar juntos

O projeto de Ibaneis Rocha será jogar 'água no chopp' da turma que aposta na divisão de forças e os aliados mais próximos ao chefe do executivo garantem que ele terá o PP, de Celina Leão,  União Brasil, do distrital Eduardo Pedrosa, PSD de Paulo Octávio e o Republicanos caminhando com ele na mesma direção. 


Apostam na divisão governista 

Nos bastidores a grande aposta dos conservadores vem sendo na divisão do grupo hoje liderado pelo o governador Ibaneis Rocha. Eles acreditam que o 'jogo de egos' e a 'queda de braços' entre aliados poderão fragilizar o grupo governista bem antes do processo eleitoral e com isso, podem tirar proveito no fortalecimento de uma chapa alternativa. Desde que não haja a federação entre as legendas do União Brasil,  PP e Republicanos. 

Dentro do grupo liderado por Ibaneis Rocha as análises é que o período das "vacas gordas" dos conservadores já passaram e que o momento deve ser de união dos campos da direita para o enfrentamento ao projeto político da esquerda. Em resumo os conservadores precisam "baixar a bola" e entender que na máquina pública do país eles são oposição e não mais governo.


Celina e Ibaneis precisam avançar 

Dentro do grupo político governista é unânime as opiniões ao afirmarem que a vice-governadora Celina Leão e o governador Ibaneis Rocha precisam avançar nas conversas e definirem de forma conjunta  o início desse jogo sucessório antecipado na mesa desde o ato ocorrido na Praça dos três poderes no 08 de janeiro de 2022. Quando do afastamento temporário do governador Ibaneis Rocha de forma açodada por parte do STF. 

A preocupação dos aliados mais próximos de Ibaneis Rocha e Celina Leão é a sobrevivência que a máquina do governo poderá oferecer para alguns personagens políticos de hoje e que podem se transformar em adversários na eleição majoritária de 2026. 

Nos corredores do Palácio do Buruti tem muita gente preocupada com essa divisão do campo da direita de Brasília que acabará por dar munições aos grupos de esquerda ligados a gestão Lula no DF.



Federação: Consolida Celina e sepulta outros 

Dentro das movimentações partidárias a nível nacional, algumas decisões poderão interferir de forma direta nos estados, municípios e no DF. Um exemplo claro será a possível federação entre as legendas do União Brasil,  PP e Republicanos. 

As sinalizações dos caciques partidários estão avançadas e caso esse acordo seja efetivado. A federação das três legendas - União Brasil,  PP e Republicanos, de acordo legislação vigente - iria até 2028 e passaria a contar em sua estrutura com; 17 Senadores,  170 deputados federais e certamente fortaleceria os partidos em regiões importantes do Brasil e nos entendimentos no parlamento nacional. 

No DF a consolidação da federação entre; União Brasil, PP e Republicanos, fortaleceria o nome da vice-governadora Celina Leão na sucessão de Ibaneis Rocha e sepultaria de forma definitiva as movimentações atuais da Senadora Damares Alves que trabalha para disputar o Palácio do Buruti. Nesse caso a Senadora ligada ao ex-presidente Jair Bolsonaro teria que buscar outro partido para seu projeto de chegar a principal cadeira do poder no DF.


Senado: Ibaneis silencia e confunde oposição 

Considerado um exímio jogador do xadrez político do DF, Ibaneis Rocha, vem observando as movimentações de todos os personagens políticos e decidiu não antecipar o seu posicionamento eleitoral com vistas as eleições de 2026.

O silêncio do governador Ibaneis quanto a sua disposição em concorrer ao Senado Federal, atormenta uma parte dos caciques partidários e freia as ações de muitos outros. A proposta do chefe do executivo vem sendo pela a cautela, embora ele tenha todo o planejamento pronto em sua mente e que a execução dependerá do clima político do período. 

A verdade é que Ibaneis Rocha vem jogando com muita habilidade e tem no seu caderno de anotações com quem ele poderá contar na formação da grande chapa majoritária daqui a três anos. E se não houver nenhum fato novo até lá, Celina Leão, será confirmada para comandar o grupo governista na eleição de 2026. Resta saber se com Ibaneis na disputa ao senado ou não. 



Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem